Deixou Saudades

Quem nunca perdeu um ente querido?

Por mais que possamos entender,

sempre será muito dolorido.

Perdi minha mãe, quando tinha 17 anos.

Mudou minha vida, minhas atitudes,

amadureci rapidamente, mudei meus planos.

Nunca estamos preparados para isso,

então o que fazer? Como curar a dor,

a falta e manter o sorriso?

Apliquei uma estratégia, que comigo funcionou.

Minha vida seguiu, fiz minhas coisas,

vivi e aos poucos a dor se acalmou.

Sempre que pensava nela, ao invés de entristecer,

trazia a minha mente, as melhores imagens,

que juntos passamos e com isso pude conter.

A tristeza transformava-se em alegria,

as lágrimas já não escorriam, no seu lugar,

sempre vinha um sorriso, daqueles que contagia.

E assim os dias foram passando,

as horas, os meses, muitos e muitos anos.

Cabeça, peito e coração, foram se acalmando.

Não há remédio e nem uma fórmula mágica.

Cada um administra sua dor, sua raiva,

do jeito que lhe convém, mas é uma forma simpática.

De querer sempre bem, quem nos deixou.

E se realmente existe troca de energias,

é uma forma deliciosa, de deixar também feliz, quem nos amou.

Amou aqui e continuará amando, aonde estiver.

Seja no físico, no espírito, no transcendental,

sua boa energia emanada, ela irá absorver.

Porque a morte não deve ser ruim,

basta aceitar, sorrir e lembrar que não é o fim.

Um dia a gente se reencontrará, simples assim.

Dedicado a minha maravilhosa mãe e à uma amiga que perdeu sua avó esse fim de semana.